Repórter processa Datena por assédio sexual

A jornalista Bruna Drews, 35 anos, está acusando o apresentador José Luiz Datena, 61, de assédio sexual. Em representação protocolada no Ministério Público de São Paulo, Bruna afirma que o titular do Brasil Urgente teria lhe dito que ela não precisava emagrecer porque já “era muito gostosa”, que diversas vezes teria se masturbado pensando nela e que achava “um desperdício” a profissional “namorar uma mulher”. A “cantada” teria acontecido em 7 de junho do ano passado, durante comemoração do fim das gravações do quadro A Fuga, do extinto Agora É com Datena, em um bar na região central de São Paulo. Bruna diz que só decidiu processar Datena agora porque, após o suposto assédio, teve uma grave crise de depressão e pânico. Em licença médica desde julho, Bruna também está movendo ação trabalhista contra a Band, à qual acusa de ter sido conivente com Datena. Quanto ao apresentador, caberá ao Ministério Público, na semana que vem, decidir se abre uma investigação policial ou se pede diretamente a abertura de um processo na Justiça. José Luiz Datena nega as acusações e cita testemunhas que afirmam não terem visto qualquer conversa de teor sexual entre ele e Bruna. “Na comemoração, repeti a ela que ela era muito bonita e que não precisava emagrecer, porque ela já era competente. Tirando isso, todo o resto é mentira, calúnia e delírio”, diz Datena.

Apresentador elogiava beleza de repórter Ex-Record, Bruna Drews foi para a Band em 2014, a convite de Luiz Bacci. Um ano depois, virou repórter do Brasil Urgente. O jornalismo policial lhe fez mal. A pressão natural do trabalho e ameaças de morte por parte de bandidos a fizeram se sentir exposta, e ela desenvolveu síndrome do pânico. Em junho de 2016, começou uma série de afastamentos para tratamentos médicos. No ar, Bruna demonstrava ter uma boa relação.

Não parecia se incomodar com os elogios, que custaram ao âncora, segundo relato do próprio em seu programa, uma breve crise com sua mulher, Matilde — ela teria o obrigado a dormir no sofá. Na denúncia ao Ministério Público, no entanto, Bruna diz que os comentários de Datena lhe deixavam constrangida. Ela cita dois momentos que considera “absurdos”: quando o apresentador interrompia reportagens para elogiar sua beleza e a ocasião em que pediu para o cinegrafista mostrar ao telespectador todo o seu corpo, como se ela fosse uma panicat, não uma jornalista. Por causa desse tratamento, Bruna passou a ouvir comentários indesejados nas ruas. Diz ter sido chamada de “Lanchinho do Datena” e “Mina do Datena”.

Fonte: Notícias da TV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *